Facebook
FoneFone: (49) 3361-3110

MP/SC combate trabalho escravo no estado

O Ministério Público do Trabalho em Santa Catarina integrou o grupo móvel que resgatou nove trabalhadores em situação análoga a de escravidão no município de Ituporanga, interior do estado, no final de julho.

O Procurador do Trabalho Acir Alfredo Hack, coordenador regional da CONAETE – Coordenadoria Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo, aguarda o relatório dos auditores fiscais para dar prosseguimento ao caso e finalizar as investigações. Inicialmente um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) foi assinado pelo dono da propriedade onde estavam os trabalhadores.

Dos nove homens encontrados no local, cinco deles faziam parte de um grupo de 46 trabalhadores rurais que lotaram um ônibus no município de Timbiras, no Maranhão e chegaram no estado catarinense com a promessa de ganhar R$ 6 por cada mil mudas de cebola plantadas.

Outros quatro, embora não sendo naturais de Santa Catarina, já moravam no estado.

De acordo com o auditor fiscal do trabalho Cláudio Secchin, coordenador da ação, os trabalhadores que vieram do Maranhão, pagaram R$ 50 ao aliciador de mão de obra para garantir a oportunidade de emprego.

Já na propriedade tiveram as despesas com a viagem descontadas do salário, trabalhavam sem equipamentos de proteção, sem carteira assinada e foram alojados em ambiente insalubre, com péssimas condições de uso.

A denúncia de trabalho escravo foi feita pela Comissão Pastoral da Terra (CPT) à Divisão de Erradicação do Trabalho Escravo do Ministério da Economia e o grupo móvel, além do MPT contou com a participação da Defensoria Pública da União e da Polícia Federal.



NEWSLETTER

Assine a nossa newsletter para receber as novidades da nossa Super Condá!


Fale conosco

Entre em contato conosco, envie suas sugestões.

(49) 3361-3110
(49) 3361-3120